Tracking Trip

Gramado em 4 dias! – Dia 1: Visita ao centro da cidade.

No feriado de Corpus Christi, fomos conhecer Gramado pela primeira vez, e aproveitamos para gravar alguns vídeos e contar como foi a nossa experiência lá!

Demoramos um pouco para fazer o post porque realmente nos desorganizamos, e com a viagem aos EUA chegando, ficamos ainda mais atrapalhados!

Passamos 4 dias por lá e fizemos um roteiro bem legal para curtir as atrações principais do lugar.

Como sempre, o nosso objetivo é economizar o máximo, então escolhemos um vôo as 4am, saindo de São Paulo com destino à Porto Alegre. Chegamos lá por volta das 6am, pegamos o carro que alugamos e fomos para Gramado. A ideia de pegar o vôo essa hora, era chegar em Gramado e já aproveitar o dia inteiro, assim curtiríamos o dia e economizaríamos uma noite no Hotel. E isso deu certo! Sabíamos que seria cansativo, mas funcionou super bem.

(O custo total da viagem você pode ver aqui)

O Nosso roteiro do 1º dia incluiu:

  • Mirante Belvedere
  • Igreja Matriz
  • Fonte do amor Eterno
  • Palácio dos Festivais
  • Rua Coberta
  • Igreja do relógio (Apóstolo Paulo)
  • Rótula das Bandeiras e estátua Kikito
  • Logo Joaquina Rita Bier
  • Fábrica de chocolates Prawer (Tour pela fábrica)
  • Mini Mundo
  • Lago Negro (que não deu tempo de andar no Pedalinho, voltamos outro dia)

 

(Veja aqui os outros roteiros:   Dia 2  –  Dia 3 –  Dia 4  )

 

Confira o traçado a pé do nosso roteiro!

O vídeo do nosso dia

O Nosso passo a passo:

Mirante Belvedere

Chegamos em Gramado por volta de 9am e como era de se esperar, o nosso quarto de Hotel não estava pronto para um Early Check in, afinal, sorte não é muito a praia do Bruno! Mas deixamos o carro no Hotel e saimos a pé para passear. Conhecemos 2015-06-04 10.37.25o Mirante Belvedere (que é muito bonito) e fica bem perto de onde ficamos (Hotel Laghetto Toscana). Depois seguimos para o centro da cidade, conhecendo os principais pontos turísticos do centro. Passamos em frente a Prefeitura e seguimos na Av. Borges de Medeiros (a mais famosa da cidade) e onde ficam os principais pontos turísticos. Logo no começo tem um centro de informações turísticas, e ali tem informações sobre tours, eventos e etc. Se você não tiver muita noção do que quer fazer, lá pode te dar algumas ideias (lá também fica o único banheiro público que encontramos, então se der aquele aperto, é bom aproveitar sem ter que ir em alguma loja). Seguimos então para a Igreja Matriz de Gramado, e como era feriado de Corpus Christi, estavam montando o famoso tapete de sal, que ficou bem bonitinho! Conhecemos também a Fonte do Amor Eterno, que fica ao lado da igreja (Olhando de frente, do lado direito um pouco mais ao fundo).

Calcada da fama - gramado

Seguindo pela mesma rua, passamos em frente ao Palácio dos Festivais, onde acontece o Festival de Cinema de Gramado, mas estava fechado e só conhecemos do lado de fora. Na frente dele, no chão, tem um tipo de calçada da fama, igual a de Las Vegas, com alguns artistas Brasileiros.

Exatamente do outro lado da rua, fica a famosa Rua Coberta, onde estava tendo uma Mostra Ambiental Estudantil, com uma pequena feirinha de projetos de escolas locais e uma equipe de reportagem por lá. Mas nada demais, na realidade estávamos esperando um pouco mais do local. rua coberta- gramadoLá dentro encontramos uma loja chamada Sulvenir, que por incrível que pareça, vende roupas! hauhauha achamos sensacional! Mas se você, como nós, adora um imã de geladeira ou Souvernirs de verdade, vai encontrar uma outra lojinha seguindo uma galeria que começa dentro da rua coberta e vai para o lado esquerdo dela (olhando de frente). Lá encontramos imãs de geladeira e casinhas bonitinhas. Existem algumas outras lojas pela cidade, mas o preço não varia e nem o estilo, então se encontrar algo que goste, compre logo porque não vai mudar muito (Apenas no centro de informações turísticas tem coisas diferentes e bem mais caras)

Em Gramado há muitas rotatórias (por lá são chamadas de rótulas), e tem uma que é muito legal, com vários itens que representam a cidade, como a estátua do Kikito e algumas referências aos maravilhosos chocolates Vista do morro da igreja apostolo Paulo(isso é assunto mais pra frente!) vendidos na cidade. E além disso, ela também roda!

Ainda antes do almoço, continuamos andando pela cidade e fomos conhecer a Igreja evangélica apóstolo Paulo (Igreja do relógio), que fica no alto de um morro. A vista lá de cima é bem bonita, e dá pra ver boa parte da cidade, a igreja em si não é grande coisa, mas vale a visita pela vista (E não se engane, a subida para ela fica na Av. das Hortências. A Rua Angelo Bisol não dá acesso e só descobrimos isso depois de subir tudo!)

Se você começar a ver a cidade a pé como nós, e estiver virado da noite anterior, é provável que comece a ter fome nessa altura também. Mas as coisas em Gramado só começam a abrir de fato as 11:30am. Então, leve um biscoito ou alguma coisa para enganar a fome, porque não achamos nem um chocolate quente por lá antes disso para enganar o estômago. Saindo da igreja, fomos para a Rótula das Bandeiras, onde fica a famosa estátua do Kikito (que representa o prêmio do festival de Gramado) Namorada velha bruxa - Tracking Tripe possui bandeiras de diversos países. Ao lado da Rótula das Bandeiras, existe uma loja da Prawer, onde a Thainá tirou uma foto que é a cara dela! Ainda não compramos nenhum chocolate nesse momento, apenas vimos o que tinha pra vender e conhecemos a loja.

Depois fomos até o Lago Joaquina Rita Bier, mas o lago em si é sem graça. Ele fica legal no Natal, onde tem jogo de água e luzes e o famoso show Nativitaten .

Nesse ponto voltamos ao centro, pois já estava na hora do almoço e estávamos mortos de fome! Nosso café da manhã foi um pacote de biscoito no carro (ou bolacha, como diz a Thainá).

Antes de chegar, passamos pela Praça das etnias (onde tem também um anjo de vidro). Lá estão um pouco de história e as nacionalidades que formaram Gramado. Acabamos subindo na Casa do Imigrante Italiano, mas acabou sendo meio chato. É um lugar aberto, e ao entrar você é informado que eles cobram um valor de ingresso, mas como você já entrou fica uma situação meio chata (Tudo bem, são 2 reais, e daríamos de bom grado, mas é muito chato quando você se sente obrigado a pagar). A intenção era dar a meia volta e ir embora, mas a Thainá quis terminar de ver porque ficou com vergonha. É uma casa original italiana do século passado onde vivia uma família inteira. É possível tirar fotos com roupas da época, mas era caro e não tão legal assim. Acabamos ficando com um pouco de raiva e fomos embora do local sem ver o resto (Acho que a fome já estava nos dominando também)

Finalmente paramos para comer, e após rodar um 2015-06-04 12.15.59pouquinho, a parada foi no Restaurante diPietro, ele fica na rua ao lado da igreja Matriz (Rua Pedro Benete), é um restaurante por kilo, com boas opções e preço justo. Gostamos muito e recomendamos. Dos restaurantes que vimos por lá, era o que tinha mais movimento, com a comida mais barata e que parecia mais apetitosa. Não nos arrependemos em nada.

Após o almoço, fomos para o hotel descansar um pouco, afinal, estávamos virados e ninguém é de ferro! Fomos para o nosso quarto e tivemos a sorte de pegar o quarto mais alto com a vista para o Vale do Quilombo, uma vista maravilhosa! (aqui contou a sorte da Thainá). Dormimos até umas 16h e saímos de novo! (Afinal, estamos em viagem e temos que aproveitar!)

Fábrica de chocolates Prawer Agora fomos rumo à fábrica de chocolate da Prawer! Decidimos ir na quinta porque a sexta seria dia de Snowland e a Fábrica não abre aos fins de semana. Dessa vez fomos de carro porque a fábrica era mais distante. Quando chegamos, a loja estava vazia, e isso foi bom, pois tivemos atenção de todos! Com várias provas de chocolates 🙂 Aproveitamos para fazer o tour pela fábrica, que é de graça. O Tour é bem legal, e o Gnomo que faz o tour é engraçado e simpático! Lá é possível ver como são feitos os chocolates e ao final, fazer uma pequena degustação. Também provamos o gorgolate, um queijo gorgonzola com base de chocolate, bem bizarro. Um sabor muito forte e os pedaços que eles vendem são muito grandes, não iríamos comer tanto. Nossa intenção seria comprar uma quantidade pequena para levar para os nossos pais provarem também, mas não foi possível.

Agora sim fizemos a festa! Compramos muito chocolate lá, é impossível ir para Gramado e não exagerar nos chocolates. Eles também servem sorvete artesanal e aproveitamos para tomar. Pode escolher duas ou três bolas, pegamos o de 3, de sabores diversos.

De lá resolver ir para o Mini-mundo, a entrada custa R$ 24,00 e não tem meia entrada (pagamos 20, mas já subiu). O lugar é mais infantil, mas bem legal, tem alguns pontos onde é possível fazer umas fotos bem interessantes! Eles entregam um jornalzinho que possui algumas histórias espalhadas pelo parque, isso dá uma graça e alguma coisa para se distrair. As miniaturas são bem feitas, e tudo é muito bem detalhado. Vale a visita, mas em 1 hora você consegue ver tudo.

Mini Mundo

Então, quando começamos a notar que ia escurecer, saimos de lá e fomos para o Lago Negro pois queríamos assistir o pôr do sol nos pedalinhos, mas chegando lá já não era possível comprar ingresso…:( Já estava escurecendo e eles só ficam aberto até às 17:30 (Chegamos lá 17:34)

Como já estava escuro, fomos embora. Passamos em um mercado para comprar algumas coisas, como água, um leite achocolatado em caixa e alguma coisa para jantar, e voltamos para o hotel, estávamos exaustos!!!

Comemos, tomamos um banho e fomos dormir por volta das 21:30, pois no dia seguinte iríamos para o Snowland! Nesse dia, andamos cerca de 13km! Então, se você não é muito fã da andar, fazer isso tudo em 1 dia pode ser puxado.

Veja aqui a galeria de fotos do 1º dia

Não esqueça de ver os outros dia do Roteiro:   Dia 2  –  Dia 3 –  Dia 4  )

E confira aqui o custo total da viagem

 

Deixe uma resposta